Previsão de entrega a partir de setembro.

 

 MINHA VIDA É O CINEMA, publicado apenas na Rússia soviética, primeiro em 1959 e depois, em 1972. A partir de então: silêncio absoluto.

 

Trazemos para você um projeto absolutamente inédito em todo o mundo e referência obrigatória para quem estuda, pesquisa ou aprecia a arte e a cultura russa e soviética.

 

Sua autora, a russa Esfir Chub (1894-1959), é uma cineasta vital para a história do cinema. Ainda nos anos 1920 criou princípios de montagem fundamentais para o cinema, que até hoje são mundialmente utilizados, porém seu nome nunca é mencionado.

Houve um apagamento total, tanto de sua vida como do imenso trabalho que ela generosamente nos legou. Vamos resgatar essa fonte de conhecimento?

 

O livro dessa campanha terá aproximadamente 500 páginas e traz detalhes sobre a história e a teoria do cinema e da arte soviética narrada por quem participou ativamente desse momento. Chub nos confia suas ricas memórias por meio de um relato dos mais fascinantes, a partir de 1918, na Moscou que ela percorria, impávida, a plenos pulmões, ainda no calor da revolução.

Ficamos sabendo que rapidamente a jovem russa estreita laços com figuras do mundo artístico revolucionário e dentre elas, Lunatchárski, recém nomeado por Lênin para comandar os rumos da educação e das artes na nascente União Soviética. Começa a trabalhar com Meyerhold, então à frente da cena teatral soviética. Seguimos suas conjecturas enquanto ela anota as reuniões com artistas e intelectuais e sentimos até sua respiração quando se vê diante do poeta Maiakóvski a ler, pela primeira vez, O Mistério-Bufo para seleta plateia de bolcheviques, especialistas em teatro e críticos.

 

Chub nos conduz ainda aos meandros da LEF (Frente de Esquerda das Artes) da qual se aproximara a convite de Maiakóvski que ficara fascinado com o primeiro filme dela, A queda da dinastia Románov, de 1927. Com ela nos acercamos da produção artística e intelectual do seu grupo de amigos, além de Maiakóvski: Chklóvski, Eisenstein, Óssip e Lília Brik, Vera e Serguei Tretiakov, Ródtchenko e Stepánova.

 

Ainda que o contexto soviético dos anos 1920, 30 e 40 nos surpreenda com a riqueza de detalhes, o "plano fechado" de sua vida será mesmo o cinema e essa paixão irrefreável transpira em todo o livro, desde o estilo de sua escrita, como se fosse um roteiro, até a inclusão de fragmentos de roteiros de seus próprios filmes. Por meio dessa "montagem textual", ela expõe claramente suas perspectivas, métodos e parcerias de trabalho no cinema.

Assim somos apresentados à sua mesa de montagem, e ficamos sabendo que junto a ela foram dados os primeiros passos de Eisenstein pelo caminho do cinema. Além desse amigo, Chub faz referência àquelas e àqueles que percorreram com ela esse momento do cinema revolucionário: Kulechóv, Pudóvkin, Khokhlóva, Svílova, Dovjênko, Vichniévski e Kauffman, dentre outras figuras notáveis.

 

Sobre seu trabalho como diretora, são muito bem descritos os percalços de toda ordem sofridos por ela, então montadora, para conceber e produzir o seu primeiro e mais conhecido filme, A queda da dinastia Románov, realizado para celebrar os dez anos da Revolução de Outubro (hoje, quase centenária, restam dessa película histórica apenas imagens fugidias).

 

Chub escreve também sobre os caminhos que a conduziram a realizar Espanha, em 1939, preciosidade documental sobre a revolução espanhola, cujos fragmentos foram apropriados de forma infinitamente poética por Andrei Tarkóvski em seu filme O Espelho, de 1975.

 

Neste livro, de formato 16 x 23 cm, que deve ultrapassar 500 páginas quando finalizado, buscamos ser generosos com nossos leitores e leitoras. Assim, o texto de Esfir Chub dialoga com imagens valiosas e notas que referenciem a leitura com informações atualizadas, de fontes confiáveis.

Almejamos fazer da própria publicação um tecido histórico que contextualize os escritos da autora no espaço artístico, político e afetivo em que viveu. Para isso atentamos para o design e a escolha das cores e formas. Nossa inspiração só poderia ser de extração russa-soviética. Dessa vez fomos encantados por uma das capas da Revista de Arquitetura Moderna, desenhada por seu editor, Aleksei Gan que era companheiro de Chub. Mostramos aqui para você se encantar também.

CHUB: minha vida é o cinema [pré-venda]

R$ 121,00Preço
    • Facebook - Black Circle
    • YouTube - Black Circle
    • Instagram - Black Circle