top of page

KIT ESFIR CHUB E ALEKSEI GAN: Construtivismo + Cartas 1927 + Minha vida é o cinema: em plano fechado

CONSTRUTIVISMO

Versão fac-similar do histórico livro KONSTRUKTIVIZM / CONSTRUTIVISMO, escrito há cem anos por Aleksei Gan, um dos mais influentes expoentes fundadores do Construtivismo russo/soviético. O texto completo nos chega traduzido diretamente do russo por Priscila Marques, acrescido de notas da tradutora, com referências fundamentais para melhor compreensão dessa obra centenária. 

O volume da Kinoruss traz também um extenso capítulo com notas biográficas de Aleksei Gan, assinado por Celso Lima, e notas sobre o Construtivismo Russo, de autoria de Neide Jallageas. 

Trata-se de introduzir, em nossa língua os fundamentos do Construtivismo, para um público pouco familiarizado com os embates conceituais e políticos advindos da Revolução de 1917, principalmente no terreno da cultura.

Nosso objetivo, mais uma vez, é apresentar conteúdo inédito em português e fomentar a análise crítica da História da Arte, do Design e da Arquitetura, em que as contribuições basilares de outros povos têm sido metodicamente excluídas da narrativa predominante, formulada pelos colonizadores das Américas.

O livro CONSTRUTIVISMO foi publicado na União Soviética, em 1922, com a tiragem de 2000 exemplares e pode ser considerado a mais contundente tese dos princípios do Construtivismo. A radicalidade da publicação de Gan, tanto na forma quanto no conteúdo, provocou polêmicas entre os próprios construtivistas. A arrojada tessitura gráfico-textual deste livro tornou-se também uma referência editorial por sua própria construção, marcada pelos princípios do que se afirmaria como design tipográfico e gráfico das vanguardas soviéticas. Nele, o objeto livro e o seu conteúdo são indissociáveis. No volume estão expostos os conceitos-chave do Construtivismo: TectônicaFactura e Construção.

 

CARTAS 1927

Pequeno volume com algumas cartas trocadas entre Gan e Chub, com apresentação de Aleksandr Konopliov e Anna Konopliova (neto e filha de Esfir Chub, respectivamente), com tradução de Cecília Rosas.

 

MINHA VIDA É O CINEMA: em plano fechado

Trazemos para você um projeto absolutamente inédito em todo o mundo e referência obrigatória para quem estuda, pesquisa ou aprecia a arte e a cultura russa e soviética. Trata-se do livro MINHA VIDA É O CINEMA, publicado apenas na Rússia soviética, primeiro em 1959 e depois, em 1972. A partir de então: silêncio absoluto.

Sua autora, a russa Esfir Chub (1894-1959), é uma cineasta vital para a história do cinema. Ainda nos anos 1920 criou princípios de montagem fundamentais para o cinema, que até hoje são mundialmente utilizados, porém seu nome nunca é mencionado.

Chub nos confia suas ricas memórias por meio de um relato dos mais fascinantes, a partir de 1918, na Moscou que ela percorria, impávida, a plenos pulmões, ainda no calor da revolução.Ficamos sabendo que rapidamente a jovem russa estreita laços com figuras do mundo artístico revolucionário e dentre elas, Lunatchárski, recém nomeado por Lênin para comandar os rumos da educação e das artes na nascente União Soviética. Começa a trabalhar com Meyerhold, então à frente da cena teatral soviética. Seguimos suas conjecturas enquanto ela anota as reuniões com artistas e intelectuais e sentimos até sua respiração quando se vê diante do poeta Maiakóvski a ler, pela primeira vez, O Mistério-Bufo para seleta plateia de bolcheviques, especialistas em teatro e críticos.

Chub nos conduz ainda aos meandros da LEF (Frente de Esquerda das Artes) da qual se aproximara a convite de Maiakóvski que ficara fascinado com o primeiro filme dela, A queda da dinastia Románov, de 1927. Com ela nos acercamos da produção artística e intelectual do seu grupo de amigos, além de Maiakóvski: Chklóvski, Eisenstein, Óssip e Lília Brik, Vera e Serguei Tretiakov, Ródtchenko e Stepánova.

Ainda que o contexto soviético dos anos 1920, 30 e 40 nos surpreenda com a riqueza de detalhes, o "plano fechado" de sua vida será mesmo o cinema e essa paixão irrefreável transpira em todo o livro, desde o estilo de sua escrita, como se fosse um roteiro, até a inclusão de fragmentos de roteiros de seus próprios filmes. Por meio dessa "montagem textual", ela expõe claramente suas perspectivas, métodos e parcerias de trabalho no cinema.Assim somos apresentados à sua mesa de montagem, e ficamos sabendo que junto a ela foram dados os primeiros passos de Eisenstein pelo caminho do cinema. Além desse amigo, Chub faz referência àquelas e àqueles que percorreram com ela esse momento do cinema revolucionário: Kulechóv, Pudóvkin, Khokhlóva, Svílova, Dovjênko, Vichniévski e Kauffman, dentre outras figuras notáveis.Sobre seu trabalho como diretora, são muito bem descritos os percalços de toda ordem sofridos por ela, então montadora, para conceber e produzir o seu primeiro e mais conhecido filme, A queda da dinastia Románov, realizado para celebrar os dez anos da Revolução de Outubro (hoje, quase centenária, restam dessa película histórica apenas imagens fugidias).

 

KIT ESFIR CHUB E ALEKSEI GAN

R$ 272,00 Preço normal
R$ 244,80Preço promocional
  • CONSTRUTIVISMO
    Autor: 
    Aleksei Gan 
    Notas sobre Aleksei Gan: Celso Lima
    Notas sobre o Construtivismo: Neide Jallageas
    Tradução: Priscila Marques
    Número de páginas: 224
    Edição: 1a.
    Ano: 2023
    ISBN: 978-85-69360-07-0
    Formato: 20 x 15,5 cm
    Peso: 300g

    CARTAS 1927
    Formato A6, caderno costurado com miolo em papel pólen natural, 64 páginas, capa colorida. 
    ISBN: 978-85-69360-06-3

    MINHA VIDA É O CINEMA

    Autora: Esfir Chub
    Tradução: Priscila Marques
    Número de páginas: 464
    Ano: 2022
    Edição: 1a. 
    ISBN: 978-65-992062-6-9
    Formato: 23x16x2,5
    Peso: 586g
    Acabamento: Edição impressa em papel pólen natural, acompanha dois cartões (postais) P&B e lista dos filmes citados no livro + marcador de livro.

  • Facebook - Black Circle
  • YouTube - Black Circle
  • Instagram - Black Circle
bottom of page