top of page

KIT CINEMA DAS VANGUARDAS: Minha vida é o cinema + A biblioteca Infinita de Serguei Eisenstein PB

 

Minha vida é o cinema

 

Trazemos para você um projeto absolutamente inédito em todo o mundo e referência obrigatória para quem estuda, pesquisa ou aprecia a arte e a cultura russa e soviética. Trata-se do livro MINHA VIDA É O CINEMA, publicado apenas na Rússia soviética, primeiro em 1959 e depois, em 1972. A partir de então: silêncio absoluto.

Sua autora, a russa Esfir Chub (1894-1959), é uma cineasta vital para a história do cinema. Ainda nos anos 1920 criou princípios de montagem fundamentais para o cinema, que até hoje são mundialmente utilizados, porém seu nome nunca é mencionado.

Chub nos confia suas ricas memórias por meio de um relato dos mais fascinantes, a partir de 1918, na Moscou que ela percorria, impávida, a plenos pulmões, ainda no calor da revolução.Ficamos sabendo que rapidamente a jovem russa estreita laços com figuras do mundo artístico revolucionário e dentre elas, Lunatchárski, recém nomeado por Lênin para comandar os rumos da educação e das artes na nascente União Soviética. Começa a trabalhar com Meyerhold, então à frente da cena teatral soviética. Seguimos suas conjecturas enquanto ela anota as reuniões com artistas e intelectuais e sentimos até sua respiração quando se vê diante do poeta Maiakóvski a ler, pela primeira vez, O Mistério-Bufo para seleta plateia de bolcheviques, especialistas em teatro e críticos.

Chub nos conduz ainda aos meandros da LEF (Frente de Esquerda das Artes) da qual se aproximara a convite de Maiakóvski que ficara fascinado com o primeiro filme dela, A queda da dinastia Románov, de 1927. Com ela nos acercamos da produção artística e intelectual do seu grupo de amigos, além de Maiakóvski: Chklóvski, Eisenstein, Óssip e Lília Brik, Vera e Serguei Tretiakov, Ródtchenko e Stepánova.

Ainda que o contexto soviético dos anos 1920, 30 e 40 nos surpreenda com a riqueza de detalhes, o "plano fechado" de sua vida será mesmo o cinema e essa paixão irrefreável transpira em todo o livro, desde o estilo de sua escrita, como se fosse um roteiro, até a inclusão de fragmentos de roteiros de seus próprios filmes. Por meio dessa "montagem textual", ela expõe claramente suas perspectivas, métodos e parcerias de trabalho no cinema.Assim somos apresentados à sua mesa de montagem, e ficamos sabendo que junto a ela foram dados os primeiros passos de Eisenstein pelo caminho do cinema. Além desse amigo, Chub faz referência àquelas e àqueles que percorreram com ela esse momento do cinema revolucionário: Kulechóv, Pudóvkin, Khokhlóva, Svílova, Dovjênko, Vichniévski e Kauffman, dentre outras figuras notáveis.Sobre seu trabalho como diretora, são muito bem descritos os percalços de toda ordem sofridos por ela, então montadora, para conceber e produzir o seu primeiro e mais conhecido filme, A queda da dinastia Románov, realizado para celebrar os dez anos da Revolução de Outubro (hoje, quase centenária, restam dessa película histórica apenas imagens fugidias).

A biblioteca Infinita de Serguei Eisenstein
Neste livro bilíngue (inglês-português) a pesquisadora francesa Ada Ackerman reflete sobre a paixão de Serguei Eisenstein (1898-1948) pelos livros.Ao longo da vida, desde a infância, o cineasta soviético compôs uma vasta e diversificada biblioteca com publicações do mundo todo e seu apreço pela leitura era incondicional.A pesquisadora francesa Ackerman, há anos viaja de Paris a Moscou e, entre 2012 e 2013 investigou as prateleiras desta biblioteca em busca das anotações que o cineasta deixava nas margens de seus livros e, também, as inúmeras fichas e papéis soltos que Eisenstein deixou anotadas como marca de suas leituras.Por meio dessa investigação Ackerman demonstra o quanto a relação de Eisenstein com os livros se conectava com suas experiências de vida, viagens, amizades e com os filmes que realizou e que repercutem mais de cem anos depois no mundo todo.Complementando o pensamento de Ada sobre os hábitos de leitura de Eisenstein, o livro traz preciosa documentação fotográfica: imagens históricas da biblioteca original de Eisenstein cedidas pelo Museu de Cinema Russo (Moscou), fotos da biblioteca do cineasta, reproduzida por sua viúva, Pera Atácheva, após a morte do cineasta e organizada e dirigida Naum Kleiman por mais de cinquenta anos e, ainda, reproduções de notas originais de Eisenstein, conservadas nos arquivos russos.Um livro cativante para quem ama livros, bibliotecas e é apaixonado por leitura. Também conta aspectos biográficos de Eisenstein. Para quem aprecia o cinema e os grandes mestres é uma leitura instigante e deliciosa.

 

 

 

KIT CINEMA DAS VANGUARDAS

R$ 198,00 Preço normal
R$ 168,30Preço promocional
  • MINHA VIDA É O CINEMA
    Autora:
     Esfir Chub
    Tradução: Priscila Marques
    Número de páginas: 464
    Ano: 2022
    Edição: 1a. 
    ISBN: 978-65-992062-6-9
    Formato: 23x16x2,5
    Peso: 586g
    Acabamento: Edição impressa em papel pólen natural, acompanha dois cartões (postais) P&B e lista dos filmes citados no livro + marcador de livro.

    A BIBLIOTECA INFINITA DE SERGUEI EISENSTEIN
    Autora: Ada Ackerman
    Tradução: Camila Cavalcante e Mônica Oliveira
    Bilíngue: inglês/português
    Número de páginas: 120
    Edição: 1a (Imagens internas em COR)
    Ano: 2019
    ISBN: 978-85-69360-03-2
    Formato: 16x16x1
    Peso: 167g
    Acabamento: papel polen bold, imagens PB

  • Facebook - Black Circle
  • YouTube - Black Circle
  • Instagram - Black Circle
bottom of page